Entrevista a Jorge Silva Melo

Entrevista a Jorge Silva Melo

A propósito de 'A Noite da Iguana'

  • Jorge Silva Melo volta a dirigir uma peça de Tennessee Williams
     Jorge Silva Melo volta a dirigir uma peça de Tennessee Williams

Nos últimos dois anos, Tennessee Williams tem sido uma espécie de autor fetiche de Jorge Silva Melo. A Noite da Iguana segue-se às produções de Gata em Telhado de Zinco Quente (2014), Doce Pássaro da Juventude (2015) e Jardim Zoológico de Vidro (2016). Provavelmente, e como nos confessa, é a última peça que o encenador e diretor dos Artistas Unidos leva à cena com a assinatura do dramaturgo norte-americano. Estreia a 18 de janeiro, no Teatro Municipal São Luiz.
 
Como é que surgiu este súbito fascínio pelas peças de Tennessee Williams, autor que até há um par de anos nunca tinha encenado?
Não diria que tenha sido um fascínio súbito, mas, na verdade, nunca pensei em encenar Tennessee Williams. Só quando percebi que os meus atores, e aqueles de quem gosto, estavam aptos a fazê-lo é que tomei a decisão. No fundo, pus-me como que ao serviço de um elenco - a Maria João [Luís], o Rúben [Gomes], a Catarina [Wallenstein], o Américo [Silva] ou a Isabel Muñoz Cardoso - que ambicionava muito fazer Tennessee Williams.
 
O que é que este autor tem de tão especial para os atores?
São papéis complexos com que muitos dos atores, legitimamente, sonham, e nem sempre é fácil surgir a oportunidade de os fazer.
 
E para o encenador? Que motivações acrescidas surgiram?
Pensei, desde a Gata, que era importante devolver Tennessee Williams ao teatro. A maior parte das pessoas conhece estes textos através das adaptações ao cinema que, apesar de muito interessantes, são muito, muito distanciadas das peças. Ao mesmo tempo, há um lado desorganizadíssimo nos textos, com todos os seus ritmos e pulsares muito particulares...
 
Gore Vidal chegou a confessar-se surpreendido pela forma como Williams escrevia e reescrevia constantemente as peças. É essa desorganização a que se refere?
Williams era um indeciso permanente, com muita vontade de agradar! Consta que vivia, antes da estreia de cada peça, um voraz nervosismo que o levava a escrever novas cenas e a impor alterações momentos antes de os atores subirem ao palco. Margaret Leighton, que fez o papel de Hannah em A Noite da Iguana aquando da estreia na Broadway, conta isso mesmo. Essa desorganização, resultante do homem atormentado que era, acaba, no fundo, por surpreender quando estamos a trabalhar um texto seu.
 

  • ''TENNESSEE WILLIAMS FOI O MAIOR CRIADOR
  • DE PERSONAGENS DO TEATRO DO SÉCULO XX''

Falando agora de A Noite da Iguana. Porquê escolher esta peça que, por sinal, nasce de um conto que Williams escreveu na década de 1940?
De todas as peças que levámos à cena é a menos estudada. E é radicalmente diferente do conto que Williams escreveu numa pensãozinha boémia do México, mergulhado num estado de profunda depressão. Em 61, o autor desenvolve a peça, recuperando a atmosfera descrita e uma personagem (uma puritana que passa férias na pensão), tendo escrito, ao que se sabe, pelo menos quatro versões. A que usamos é a que faz parte do espólio da Library of America.
 
Em 1964, John Huston adapta a peça ao cinema, num belíssimo filme protagonizado por Richard Burton, Ava Gardner e Deborah Kerr. Apesar de críptico, o filme não revela propriamente essa “desorganização” que parece marcar a maior parte das obras de Williams…
Como já referi, os filmes são sempre muito diferentes das peças e A Noite da Iguana não é exceção. Aliás, esta peça é muito, muito desequilibrada, talvez porque quase todas as personagens estão em exaustão, a começar pelo protagonista (o Shannon) e a acabar na galeria de personagens curtas. A ação passa-se em 1940, ao contrário do filme que a remete para umas décadas depois e suprime o grupo de turistas alemães que Williams usa para fazer o contraponto entre os que vivem uma crise existencial e uma Europa que se destrói – a Noite do título é, precisamente, a do grande bombardeamento alemão a Londres, que aquele grupo de nazis comemora na pensão mexicana à beira-mar. Aliás, o que se torna crucial na peça é essa ideia de um mundo exangue que não consegue lutar contra o fascismo crescente.
 
Não deixa de ser surpreendente que Williams, tendo escrito a peça quase duas décadas depois da derrota do nazismo, tenha “criado” esse grupo de nazis num texto que parece ser, sobretudo, sobre pessoas em exaustão.
É uma característica do teatro de Williams. Ele adora colocar as suas personagens torturadas e amarguradas ao lado de personagens grotescas - repare-se nas criancinhas da Gata ou nos fascistas do Doce Pássaro. Ele chamava-lhes “caricaturas à Hieronymus Bosch”.
 
Pensa que essa presença do grotesco, ainda mais nestes dias que vivemos, dá, de certo modo, uma nova atualidade ao teatro de Williams. Ou, para ser mais preciso, Tenessee Williams é ainda um autor atual?
É datado. Mas eu também acho que Bach não é rock, é datado, e eu continuo a necessitar dele. Mozart, que eu ouço quase todas as noites, também não vestiu jeans e ainda bem… Não sou doido pelo contemporâneo, até porque acredito que todo o teatro é contemporâneo desde que seja representado. Uma das coisas bonitas do teatro é, precisamente, sentarmo-nos numa sala e ouvirmos vozes de longe, de antes, de agora, e de sempre.  
 
Como em todo o teatro de Williams, os protagonistas são personagens sempre fascinantes e que, como o Jorge já referiu, fazem as delícias de qualquer ator ou atriz. Aqui, teremos Nuno Lopes, Maria João Luís e Joana Bárcia a interpretar o trio protagonista…
Os atores é que são decisivos para fazer esta peça e, diga-se, são a minha grande motivação para a encenar. O que é mais belo no Tennessee Williams é essa capacidade extraordinária de construção de personagens capazes de serem identificadas por qualquer um de nós fora das peças. Diria mesmo que Williams foi o maior criador de personagens do teatro do século XX. 

[por Frederico Bernardino; fotografia de Francisco Levita-CML/ACL]

Relacionado

A Noite da Iguana

Teatro › Espetáculos
18 jan a 5 fev/17
Rua António Maria Cardoso, 38
1200-027 Lisboa

Formulário de procura

OP'17