Olhares sobre Amélia Rey Colaço

Olhares sobre Amélia Rey Colaço

Exposição de fotografias da atriz no Arquivo Municipal de Lisboa

  • A atriz na casa de família, em Lisboa (1919)
     A atriz na casa de família, em Lisboa (1919)

A partir de 28 de julho, o núcleo fotográfico do Arquivo Municipal de Lisboa, na Rua da Palma, exibe um conjunto de fotografias provenientes da Coleção Rey Colaço, centrado na figura de Amélia Rey Colaço, atriz referencial do teatro português do século XX.

Em 2005, a atriz Mariana Rey Monteiro doou ao Arquivo Municipal de Lisboa várias imagens datadas de final do século XIX e primeiras décadas do século passado. Nesta coleção de fotografias da família Rey Colaço é possível acompanhar a vivência quotidiana da família, entre as residências de Lisboa e Estoril, e particularmente de sua mãe, Amélia Rey Monteiro (1898-1990), certamente, uma das figuras mais importantes da história do teatro português.
 
Muito influenciada pelo ambiente artístico que rodeava a família (o pai era o prestigiado pianista Alexandre Rey Colaço), mas sobretudo pela figura da avó materna que visita em Berlim - numa viagem que lhe permite tomar contacto com as arrojadas produções do Deutsches Theater de Max Reinhardt - a jovem Amélia cedo toma a decisão de ser atriz. Iniciada nas artes de palco por Augusto Rosa (e, como era de bom tom à época, avalizada por este grande nome do teatro perante a família), estreia-se em 1917, no República, atual Teatro São Luiz. A peça era Marianela, adaptação do livro homónimo de Benito Pérez Galdós pelos Irmãos Quintero, e Amélia surpreende, surgindo em cena descalça e esfarrapada para compôr com inegável talento a trágica protagonista. A preparação desse papel, nos antípodas da sua posição social, encontra-se retratada numa série de fotografias agora expostas.
 
Fotografias da Atriz: Coleção Rey Colaço inclui ainda um conjunto de fotogramas da primeira adaptação ao cinema do romance de Eça de Queiroz O Primo Basílio, dirigida em 1922 por Georges Pallu. No filme, Amélia Rey Colaço interpreta a vulnerável 'Luisa', contracenando com Robles Monteiro, ator com quem casara apenas dois anos antes e com quem havia fundado, em 1921, a célebre Companhia Rey Colaço-Robles Monteiro que, durante mais de 50 anos, marcaria o panorama teatral português.
 
A exposição inaugura a 27 de julho, às 19h, e está patente ao público até 14 de outubro, de segunda a sábado, das 10h às 19h. A entrada é livre.

[texto de Frederico Bernardino]

Relacionado

Coleção Rey Colaço - Fotografias da Atriz

[ANTE]câmara

Artes › Exposições › Fotografia
28 jul a 14 out/17
Rua da Palma, 246
1100-394 Lisboa

O Veneno do Teatro

Vítor Pavão dos Santos
Literatura > Artes

Fotobiografia de Amélia Rey Colaço

Júlia Leitão de Barros
Literatura > Artes

Formulário de procura