Jorge Colaço (1868-1942)

Jorge Colaço (1868-1942)

Pintor da História, História de um Pintor

Artes › Exposições › Azulejaria, Pintura
27 fev a 29 jul/18

Terça a domingo, das 10h às 18h (última entrada às 17h30)

  • Créditos Museu de Lisboa / José Avelar
    ​Homem do Leme Jorge Colaço (1868-1942), 1928 Pormenor de painel de azulejo do antigo Mercado da Fruta do Cais do Sodré  Créditos Museu de Lisboa / José Avelar

Porque me dediquei a pintar azulejos? Por predilecção que só posso atribuir a influências atávicas da terra de moiros onde nasci. (…) uma vez em Portugal não podia deixar de acordar, no primeiro ensejo, prante as fomosíssimas tradições duma arte que, embora importada, soube ganhar fóros de arte nacional.
Jorge Colaço, 1933

Jorge Colaço (1868-1942) foi um artista que exaltou uma certa ideia de Portugalidade. Grande impulsionador da azulejaria, arte que considerava ser parte da identidade nacional, celebrizou-se na pintura de momentos da História de Portugal, de vistas dos principais monumentos do país e de cenas da vida quotidiana de populações rurais e piscatórias. O seu percurso esteve vinculado a valores historicistas e nacionalistas e parte das suas realizações destinaram-se a enobrecer, também ideologicamente, algumas importantes obras públicas, em diálogo decorativista com a arquitetura.

A sua dimensão artística, todavia, suplanta a caracterização de mero “pintor da História”, título facilmente conferido pela análise às obras de encomenda. Exímio desenhador, caricaturista e decorador, Jorge Colaço foi um artista multifacetado, cuja carreira evoluiu na azulejaria por gosto pessoal. Ao serviço das fábricas de Louça de Sacavém e de Cerâmica Lusitânia, dispôs sempre de gabinete autónomo, o que lhe garantiu grande independência na condução dos projetos, e a obra de pintura e de desenho, embora menos conhecida, garantem-lhe um estatuto cimeiro no panorama artístico da primeira metade do século XX.

Nos 150 anos do seu nascimento, o Museu de Lisboa – Palácio Pimenta salienta uma das mais desconhecidas obras de Jorge Colaço para a cidade: os painéis cerâmicos do desaparecido Mercado da Fruta do Cais do Sodré. A exposição retrata ainda a diversidade e versatilidade da obra do autor pela caricatura, desenho e pintura a óleo.

Para além do espólio do Museu de Lisboa, a exposição conta com obras do Museu Bordalo Pinheiro, Museu Nacional do Azulejo e de colecionadores privados, e terá um programa de conversas e visitas guiadas associado:
 
- 21 de março: visita e conversa, com Cláudia Emanuel

- 9 de maio: Pedro Bebiano Braga e João Alpuim Botelho
 
- 20 de junho: Conceição Serôdio, Carlos Luís e Carlos Pereira (Museu de Cerâmica de Sacavém)

Informações Úteis

Preço: 3€ (público em geral)

 

Local

Campo Grande, 245
1700-091 Lisboa

Formulário de procura

Continuam

O Prazer de Fazer, a Joia ao Alcance da Mão

Artes › Cursos / Encontros

Encontro dos Origamigos de Lisboa

Artes › Cursos / Encontros

Ateliers de Fotografia a céu-aberto

Ar livre
Artes › Cursos / Encontros