o bem nas coisas

o bem nas coisas

Ciência
12 jan/17: 18h30

O amor pelas coisas abre o reino da mercadoria. Esse tipo de amor é exibido em todas as direções do espaço público das nossas cidades, basta-nos «abrir os olhos para que todo o espaço entre o nosso corpo e o horizonte seja uma única e infinita exposição de mercadorias». Ou talvez seja o inverso, talvez sejam as mercadorias – entidades misteriosas, como lembrava Marx – que abrem novas possibilidades para a expressão do amor, sendo a publicidade a sua proclamação e o seu conto moral. Só somos, só amamos, porque as coisas determinam já uma possibilidade de ser e de amar. É recolocando a questão das mercadorias, da «reificação bem-sucedida» que cada uma é, que Emanuele Coccia nos traz uma reflexão sobre a relação do mundo contemporâneo com as coisas que se apresentam sob a forma de mercadoria. Poderíamos dizer que, tendencialmente, tudo aparece como mercadoria e que nesta se apresenta a forma moral das nossas sociedades.
 
A partir de elementos diversos da nossa herança cultural, Coccia não nos traz apenas uma perspetiva original sobre o cruzamento entre discurso moral e publicidade: ele consegue renovar o discurso ensaístico contemporâneo, propondo-se escrever a partir de um afastamento daqueles mestres da suspeita que durante décadas regeram o exercício público da inteligência. Trata-se, afinal, de retomar pelo discurso algo que é próprio do bricoleur.

Conferência em inglês, sem tradução, por Emanuele Coccia, Pedro A. H. Paixão, Jorge Leandro Rosa e António Guerreiro.
 

Informações Úteis

Entrada livre
Levantamento da senha de acesso 30 minutos antes da sessão, no limite dos lugares disponíveis. Máximo por pessoa: 2 senhas

Local

Edifício CGD, Rua Arco do Cego, 50 - Piso 1
1000-300 Lisboa

Formulário de procura

Sardinhas

Continuam

Visitas Guiadas

Ciência, Visitas Guiadas

Núcleo de Interpretação da Muralha de D. Dinis

Ciência, Visitas Guiadas

Exposição Permanente do Museu da Água

Ciência, Visitas Guiadas