Bandolim

Bandolim

Poesia Adília Lopes

Editora: Assírio & Alvim
Data:

Adília Lopes começou a publicar na década de 1980. As redes sociais chegaram vinte anos mais tarde e é extraordinário ver a poesia da autora como precursora do uso mais interessante que as facilidades do novo século ajudaram a difundir. Mas consigo própria, talvez não: “A net é um sorvedouro de tempo, disse-me uma poetisa francesa.” Em todo o caso, podemos olhar para este livro como uma rede social de dois, de sentido único, onde cada leitor é interpelado de sua vez. Voltamos a encontrar a teia quotidiana de bichos e citações, inspirações e trocadilhos, que nos agarram com a sua graça e uma capacidade de observação a que não é alheio o sentido de irrisão. O livro abre e fecha com uma sequência de imagens que podiam figurar num perfil de Facebook invulgar. Adília Lopes apresenta o fora que há no comum, em prosa e em verso. “Uma doente internada no Júlio de Matos disse-me: ‘Não tenho gostos’. É horrível.” Um hospital sem rede deve ser mesmo horrível. 

240 páginas

Formulário de procura

Livros

Sinais de Cena - Genética Teatral

Teatro
Vários autores

Lanzarote

Contos
Michel Houellebecq

A Mulher-Sem-Cabeça e o Homem do Mau-Olhado

Romance
Gonçalo M. Tavares

Amália – A Ressurreição

Artes
Fernando Dacosta

Debaixo da Pele

Romance
David Machado

Quem tem Medo dos Filósofos

Outros
Victor Correia (organização e introdução)

1933 Foi um Ano Mau

Romance
John Fante

Odes Olímpicas

Poesia
Píndaro

A Mala Misteriosa do Senhor Benjamin

Infanto-Juvenil
Pei -Yu Chang.

Máquina

Infanto-Juvenil
Jaime Ferraz

Lisboa e os Estrangeiros / Lisboa dos Estrangeiros até ao Terramoto de 1755

Estudos

O Regresso de Mary Poppins

Infanto-Juvenil
P. L. Travers