MELANCOLIA E ARQUITECTURA EM ALDO ROSSI

MELANCOLIA E ARQUITECTURA EM ALDO ROSSI

Artes

Data:

Diogo Lopes (1972-2016) escrevendo no final de Melancolia e Arquitectura sobre o segundo livro de Aldo Rossi (1931-1997), A Scientific Autobiography, dá a melhor definição deste precioso livro, resultado da sua tese de doutoramento. “Não é nem uma monografia que documenta uma prática, nem um ensaio teórico que segue um argumento claro, e dificilmente pode ser descrito como um ‘livro de arquitectura’ convencional. É, isso sim, uma meditação acerca de assuntos que transcendem fronteiras disciplinares.” É como se Diogo Lopes tivesse escrito um livro à maneira de Aldo Rossi, tendo compreendido e havendo estabelecido uma cumplicidade com a personalidade do homem que existia no arquiteto. Ao mesmo tempo fazendo-nos percorrer estas 310 páginas com a sensação de encontrarmos o seu autor em todas elas. Melancolia e Arquitectura em Aldo Rossi foi a autobiografia que Diogo Seixas Lopes nos quis deixar. O sentimento de perda é para ser levado à letra.

312 páginas

Formulário de procura

Livros

Quem tem Medo dos Filósofos

Outros
Victor Correia (organização e introdução)

1933 Foi um Ano Mau

Romance
John Fante

Odes Olímpicas

Poesia
Píndaro

Sinais de Cena - Genética Teatral

Teatro
Vários autores

Lanzarote

Contos
Michel Houellebecq

A Mulher-Sem-Cabeça e o Homem do Mau-Olhado

Romance
Gonçalo M. Tavares

Amália – A Ressurreição

Artes
Fernando Dacosta

Debaixo da Pele

Romance
David Machado

O Regresso de Mary Poppins

Infanto-Juvenil
P. L. Travers

A Mala Misteriosa do Senhor Benjamin

Infanto-Juvenil
Pei -Yu Chang.

Máquina

Infanto-Juvenil
Jaime Ferraz

Lisboa e os Estrangeiros / Lisboa dos Estrangeiros até ao Terramoto de 1755

Estudos