Odes Olímpicas

Odes Olímpicas

Poesia Píndaro

Editora: Abysmo
Data:

Os Jogos Olímpicos na era clássica, além do caráter de competição desportiva, serviam para manter o espírito de unidade de toda a Grécia porquanto, durante a sua celebração, era proclamada uma trégua sagrada que eliminava os confrontos entre as diversas cidades estado, como sublinha Maria José Martin Velasco, no prólogo a esta edição. As Odes Olímpicas exaltam, por isso, não só as qualidades atléticas dos vencedores, como também os ideais gregos de beleza e força física que glorificavam o homem perfeito à semelhança dos deuses. Píndaro mistura “os sons intrincados da harpa, com o grito das flautas e a disposição das palavras” em honra destes atletas “belos, na flor da idade a realizar feitos gloriosos” enquanto medita, segundo António de Castro Caeiro, tradutor da obra, “nos diversos destinos humanos abertos à possibilidade, mas configurados por uma inanulabilidade do sentido irreversível do tempo”, entre a bênção e o esquecimento. 

70 páginas

Ficha Técnica

Tradução e apresentação de António de Castro Caeiro; prefácio de Maria José Martín Velasco

Formulário de procura

OP'17

Livros

As Mil e uma Noites

Romance

A Conquista do Inútil

Artes
Werner Herzog

O Museu do Pensamento

Infanto-Juvenil
Joana Bértholo

O Terrivél - A grande Biografia de Afonso de Albuquerque

Estudos
José Manuel Garcia

Maigret e o seu Morto

Romance
Georges Simenon

Autobiografia de Alice B. Toklas

Outros
Gertrude Stein

Poesis

Poesia
Maria Teresa Horta

Às Vezes São Precisas Rimas Destas

Poesia

Esta Noite Sonhei com Brueghel

Romance
Fernanda Botelho

Poemas

Poesia
Mário de Sá-Carneiro

Fernão de Magalhães

Outros
Stefan Zweig

Dias Úteis

Romance
Patrícia Portela