A Filha do Tambor-Mor

125 Anos do Teatro São Luiz

música, teatro
22 maio a 26 maio 2019
qua: 21h; qui: 21h; sex: 21h; sáb: 21h; dom: 17h30
São Luiz Teatro Municipal
A Filha do Tambor-Mor

Numa produção integralmente assumida pelo São Luiz, a ópera cómica em três atos de Offenbach está de regresso, 125 anos depois de ter inaugurado, a 22 de maio de 1894, o agora teatro municipal. No palco da Sala Luís Miguel Cintra, reúne-se “um elenco para o futuro”, proveniente de escolas superiores de música, dança e teatro de todo o país. António Pires assina a encenação e a direção musical está a cargo de Cesário Costa. Esta grande produção conta ainda com Paulo Vassalo Lourenço como maestro do coro, cenografia d’ A Tarumba – Teatro de Marionetas, Dino Alves nos figurinos e Aldara Bizarro no movimento.

Elenco:

Ana Filipa Leitão – Stella; Mariana Pereira de Sousa – Duquesa Della Volta; Carla Martins – Lorenza; Beatriz Maia – Claudine;José Corvelo – Monthabor, tambor-mor; Miguel Reis – Duque Della Volta; Alberto Sousa –  Griolet (Universidade de Aveiro;  Universidade de Évora;  ESART Castelo Branco); João Merino – Tenente Robert; Almeno Gonçalves – Marquês Bambini;

e ainda com os atores Isaías Viveiros e Laura Aguilar (Escola Superior de Teatro e Cinema de Lisboa);

e com os bailarinos Catarina Rosa Moita, Cristiana Pardal; Inês Aguiar; Inês Coelho Duarte; Inês Coimbra; Joana Franco; Lara Maia; Mafalda Tereno; Raquel Silveira; Rita Carmo e Sofia Portugal (Escola Superior de Dança de Lisboa).

As cinco récitas são de entrada livre sujeita à lotação da sala. Os bilhetes são disponibilizados no próprio dia, a partir das 13h, no limite de dois por pessoa.

Todas as récitas têm audiodescrição e interpretação em Língua Gestual Portuguesa.


Ficha técnica:

São Luiz teatro Municipal em coprodução com Universidade de Aveiro, Universidade de Évora, ESART de Castelo Branco, Escola Superior de Dança de Lisboa e Escola Superior de Teatro e Cinema de Lisboa. A partir da ópera de Jacques Offenbach. Cesário Costa, direção musical; António Pires, encenação; Coro Participativo do Festival de Verão; Orquestra Clássica Metropolitana.

Local: