João José Cochofel (1919-1982)

Mostra

literatura
12 setembro a 21 dezembro 2019
vários horários
Biblioteca Nacional de Portugal
João José Cochofel (1919-1982)

Evocando o centenário do nascimento de João José de Melo Cochofel Aires de Campos (Coimbra 1919, Lisboa 1982), esta mostra traça o percurso do poeta e crítico expondo o seu espólio literário, obra impressa ilustrativa da sua produção intelectual e uma seleção de documentos epistolares. Enquanto poeta, o seu nome permanece ligado ao neorrealismo. Foi um dos organizadores do «Novo Cancioneiro» (1941-1944), no âmbito do qual publica Sol de agosto (1941). Este livro sucedeu Instantes (1937), estreia do autor na poesia. Em 1940 publica Búzio e a este seguem-se: Descoberta (1945), Os dias íntimos (1950), Quatro andamentos (1966) e Uma rosa no tempo (1970). Ilustrando esta vertente, mostram-se alguns dos raros manuscritos que integram o espólio, como, por exemplo, um caderno autógrafo com poemas escritos entre novembro de 1935 e janeiro de 1937. A par da sua atividade poética, Cochofel colaborou na imprensa tendo sido codiretor de «Cadernos da juventude» (Coimbra, 1937) e integrando o grupo fundador das revistas  «Altitude»  (Coimbra, 1939) e  «Vértice» (Coimbra, 1942). Colaborou também na «Seara Nova» (Lisboa, 1921) e na «Gazeta Musical», reerguida sob a sua égide como «Gazeta Musical e de Todas as Artes», entre 1958 e 1962.

Local: